Amores (?) inacabados


      Dias atrás eu comecei a escrever o texto e deixei inacabado nos rascunhos desse blog. Pensei em terminá-lo depois, e hoje ele não faz mais sentido. Nesse texto eu falava o quanto alguns amores são inacabados, e o quanto o nosso era assim. O quanto eu lembrava de tudo exatamente como aconteceu, e o quanto eu queria que um dia a gente se reencontrasse nem que fosse pra colocar um ponto final, algo que não fizemos. Mas ah, francamente, óbvio que eu queria te reencontrar pra continuar a nossa história, e não pra colocar um ponto final.
      Mas hoje é diferente. Hoje eu sei que não teve história alguma. E ok, tá tudo bem. Eu só não consigo entender o motivo de tantas mentiras. Vou viver anos e anos e não vou conseguir entender porque as pessoas mentem tanto sem a menor necessidade.
      Eu nunca te pedi pra dizer que me ama. Nunca te pedi pra dizer que sente a minha falta. Nunca te pedi pra falar que o que a gente teve foi mais do que físico, foi amor. Eu nunca te pedi nada disso. Pra mim realmente foi. Pra mim, tudo que a gente teve foi incrível. Foi com você que tive um dos melhores momentos da minha vida. Sim, exatamente o que você falou pra mim, mas a diferença é que comigo foi verdadeiro.
      Eu realmente me pego pensando em você, assim, do nada. Já faz quase um ano que não nos vemos, mas eu sinto sua falta todos os dias. Tentei me relacionar com outras pessoas, tentei mentir pra mim mesma que tinha esquecido, mas todos os dias eu lembro de você. Ainda tenho guardado o desenho que você me fez, e foram incontáveis as vezes que me peguei olhando pra ele e chorando de saudade. Ainda tenho o globo de neve que me lembra você, e eu olho e choro. Sentimental demais, boba demais, trouxa demais.
      Sempre pensei que o seu problema era não saber "aproveitar" a vida. Era se preocupar demais com os estudos, e as responsabilidades e deixar o resto de lado. E eu te perdoei por isso, porque conseguia até achar isso fofo. Você me pediu desculpas por me deixar de lado, e eu desculpei. Mas por quê tudo isso? Pra que se desculpar? Pra que mentir? Se pra você nada foi verdadeiro?
      Entendo você não querer se apaixonar por alguém que mora a km de distância, mas não, não entendo você mentir quanto a isso. Não entendo você mentir todas as vezes que me via e se dizia apaixonado. Não entendo e não consigo te perdoar por isso.
      Ps: o texto inacabado era o seguinte:

Das coisas que aprendi na vida: tem sentimentos que passam e têm os que ficam. O que eu sinto por você é desses que ficam, é desses que eu, por vezes, cheguei a pensar que finalmente tinha ido embora, mas não, ele tava ali. E dói. Em momentos como esse, dói de uma forma que eu não consigo explicar. Mas talvez você sinta doer também, e eu não precise descrever, até porque não conseguiria. Talvez, só talvez, você sinta exatamente o que eu sinto. Vai fazer um ano desde a última vez que nos vimos, e eu consigo lembrar de cada efeito que o seu toque causava em mim. Eu consigo lembrar da sensação que eu tinha ao ir te encontrar. De como eu ficava ansiosa, de como parecia que tinha algo embrulhando meu estômago, de como meu coração acelerava, e de como eu me sentia boba por todas essas coisas. Lembro de quando fomos a um restaurante qualquer e você escreveu nossos nomes em um bloco de anotações...


0 comentários:

Postar um comentário